Vida Próspera - Capítulo 1 - Como pagar as suas dívidas - O Espaço - Equilíbrio, empatia e prática Vida Próspera - Capítulo 1 - Como pagar as suas dívidas

Vida Próspera - Capítulo 1 - Como pagar as suas dívidas

2016/01/13 | 2 comentários | |


como pagar suas dívidas - vida próspera - o espaço


Olá! Este é o primeiro texto da série Vida Próspera. Nesta série, vamos abordar estratégias para se obter uma vida financeira saudável, através da consciência e de pequenos e bons hábitos, evitando assim, a famosa Corrida dos Ratos que atinge tantos milhões de brasileiros.
Mas antes, três perguntinhas básicas:

> Você é daqueles que está tão perdido com as suas finanças que não sabe nem por onde começar a se organizar?
Não sabe nem se é possível se organizar.


> Você tem alguns problemas no orçamento, mas acha que isso se resolveria se ganhasse um pouco mais?
Talvez se levasse aquela bonificação ou se seu chefe te promovesse todos os problemas se resolveriam…  (mas quando isso acontece eles não se resolvem)


>Financeiramente falando, você está preparado para emergências?
Aqui não quero dizer aquelas emergências que se paga com o cartão de crédito ou se faz um empréstimo no banco. Digo emergência mesmo. Um período de seis meses sem trabalho, por exemplo.


Pense um pouco…
.
.
.

Se a resposta foi positiva para alguma dessas perguntas, então é provável que esta série seja útil para ti.
Independente do tamanho dos seu rendimentos, saiba que você pode estar perdendo dinheiro e qualidade de vida desse jeito.
Aqui vamos estudar um conjunto de técnicas simples  mas extremamente impactantes no longo prazo, fazendo o dinheiro deixar de ser um problema e quem sabe te auxiliando a alcançar a independência financeira. Isso é bem possível.
Eu não tenho nenhuma fórmula secreta de enriquecimento rápido, nenhum truque que vai te transformar no Tio Patinhas do dia pra noite. A nossa série é sobre a vida real!
Entendo a dificuldade de tentar uma mudança nos nossos hábitos negativos e enraizados. Quem nunca tentou melhorar em alguma área da vida? Ter um gasto financeiro descontrolado pode ser um costume que incomoda muito. Por isso deixo dois textos como leitura complementar que podem ajudar quem tem a intenção de acompanhar nossa série Vida Próspera com consistência e disciplina:

- Três dicas que vão te ajudar a adicionar bons hábitos de vida.
- Porque você não consegue atingir os seus objetivos - Homeostase.
Como eu disse, não existem atalhos ou fórmulas mágicas. Contudo, as práticas que aqui serão faladas não são nenhum bicho de sete cabeças, pelo contrário, a execução requer apenas um pouco de comprometimento e força de vontade.

Então vamos lá, por onde começamos? Pelo começo, ora bolas! Pagando todas dívidas! ;)




Capítulo 1: Como pagar as suas dívidas.


Complicado alcançar qualquer coisa vivendo com os números no vermelho. Este deve ser o primeiro passo antes de seguirmos para as outras estratégias, mas você perceberá nos textos seguintes que todas as etapas são fortemente conectadas, todas fazem parte de um estilo de vida melhor e de um mindset positivo e frutífero. Então fique atento, mesmo se sua dívida for pequena vale a pena conferir Dito isso, vamos lá:


#1 Anote os seus gastos.

Isso é de um valor absurdo. Anote tudo. Você terá um poderoso entendimento sobre seus hábitos. Além de um controle muito maior das suas finanças e das suas escolhas.
É importante conseguir mensurar como as pequenas bobagens se somam e prejudicam o orçamento. Não adianta só saber que isso acontece, é preciso ver, entender e assimilar, por isso anotar é tão fundamental.  
Provavelmente você irá se surpreender com a forma que o seu dinheiro se perde por aí.
Para ser ainda mais eficaz, procure fazer as anotações à moda antiga. Papel e caneta. Isso favorece a memorização e a internalização do que foi escrito. Digitando, o esquecimento vem mais rápido e a assimilação às vezes nem vem.
Então eu diria que este é o grande diferencial. Anotar à moda antiga. Simples e poderoso.

Após preencher o caderno, passar para alguma planilha digital pode ser uma boa ideia. Facilita a organização e o manuseio dos números. Isso é opcional, claro, talvez você já consiga ter um nível elevado de organização dentro do próprio caderno e sinta melhor manuseando tudo por lá.
“Mas de que forma posso anotar tudo assim se estou usando dinheiro o tempo todo?”
Tem gente que realmente consegue fazer essas anotações o tempo todo. A primeira vez que tentei foi um fiasco. Ficava de saco cheio e me perdia. Então tive a ideia de guardar todas as notas fiscais e anotar todas uma vez por semana, com as datas e tudo. Pegava todas as notas, até de bala. Isso realmente funcionou pra mim. Acredito que funcionará pra você também.





#2 Enxugue o desperdício.

Como disse, quando tiver um entendimento melhor dos seus gastos, é provável que você encontre muita coisa desnecessária. É hora de tapar os ralos que levam o seu dinheiro.
>> Aquela revista que você assina e nem lê.
>> Aquele lanche que você faz na rua todo dia 5 minutos antes de chegar em casa (quando em casa está cheio de comida).
>> Aquele plano de TV/Internet/Telefone que te dá sms e uma baralhada de serviços que você nunca irá utilizar.  
Enfim, tudo que puder ser enxugado, enxugue.
Lembre-se que o objetivo é dar uma segurada pra ter um conforto maior lá na frente. Sendo assim, faça o que puder para cortar as coisas supérfluas.
Atenção aqui: se você constatou nas suas anotações que vem gastando mais do que fatura, então o buraco é mais embaixo. Isso se chama fluxo de caixa negativo, em outras palavras, sai mais dinheiro do que entra. Nesse caso o corte precisa ser mais profundo. Mas na maioria dos casos é possível fazê-lo sem que diminua o padrão de vida da pessoa. Com algum esforço é possível tapar buraco sem grandes mudanças no dia-a-dia.
Pode parecer complicado, mas acredite, com as notações que você tem do item #1 vai ser mais simples do que você imagina. Você vai saber aonde precisará ir, o que deverá cortar, não tenha dúvidas disso. A sua mente começará a trabalhar nesse sentido e tudo vai começar a soar mais familiar. Isso significa que você está começando a mudar os paradigmas.






#3 Conhecendo o tamanho da criança.


É hora de encarar a bola de neve! Essa parte não é das mais agradáveis, mas é muito necessária. A ideia é a mesma do #1: anotar. Anote tudo que você deve de forma detalhada. É importante que você saiba:
>> o quanto deve;
>> para quem deve;
>> desde quando você deve;
>> e qual o tamanho dos juros;
Ligue para o banco, peça ajuda pra algum amigo que conhece do assunto ou, porque não, procure uma ajuda profissional. Fazer esse levantamento é fundamental para definir os próximos passos.
Se necessário, acione o Procon ou algum órgão que possa te auxiliar nisso. Você tem o direito de saber todos os detalhes da sua dívida.
Além da importância prática, este exercício também é de grande valor para a mente, assim como em #1. Você se sentirá um pouco mais no comando. Começará a desenvolver o lado gerencial. E vai começar a perceber que as coisas podem ter um rumo, uma direção e que você mesmo tem a capacidade de guiar tudo! Cara, isso é muito bom pra quem estava totalmente no escuro, sem saber o que fazer. Sinta essa força e a transforme em trabalho!







#4 O Grande Plano!

Agora você tem a faca e o queijo na mão. É hora de traçar o grande plano para sair do vermelho.

Mas antes, gostaria de lhe dizer que caso tenha chegado até aqui, então eu já estou muito feliz! Sinta-se feliz também, você já acumulou algumas importantes vitórias que a maioria não consegue alcançar.
Vamos lá, dividi o plano em duas partes:

4.1. Negociar as dívidas.

Hoje em dia, ser endividado é quase que uma realidade do povo brasileiro, infelizmente. Por isso, as instituições estão cada vez mais dispostas a negociar com todos. Elas sabem da dificuldade que o povo tem de sair dessa situação. Elas também têm consciência do juros absurdos que são cobrados. Para elas, é melhor que você pague alguma coisa do que dar um calote. Sendo assim, não sinta vergonha de negociar, é um processo comum.
Porém, há porém! Negociar não é como pedir desconto na feira. É preciso ser feito no momento certo e da forma correta. Se você já fez a dívida pensando na renegociação, o banco certamente perceberá, o que, convenhamos, não é muito difícil. Aqui é preciso ter timing e ser frio. Se você, por exemplo, sempre teve o nome limpo, o banco irá ameaçar de todas as formas jogá-lo na sujeira antes de aceitar uma negociação. E às vezes é até bom que isso aconteça, uma vez com o nome sujo, a negociação pode ser facilitada.

4.2. Trocar juros maiores por juros menores.

Caso haja algum débito com juros muito altos, vale a pena trocar por um novo que tenha os juros menores. Isto é, adquirir uma nova dívida com juros menores e quitar a dívida anterior. Diminuir os juros é diminuir a dívida, invariavelmente. Dessa forma você terá um pouco mais de fôlego pra seguir em frente.
Feito isso é chegada a hora de eleger o que será pago primeiro. Aqui, a lógica é a mesma, liquidar as que têm os maiores juros assombrando e seguir com as menores. Claro, você agora é um senhor anotador, já tem em mãos todas as informações que precisa para fazer o ranking de pagamento. Um juro mais alto significa que a bola de neve cresce muito mais rápido. Logo, é melhor acabar com essa bola de neve primeiro, mesmo que ainda esteja pequena, no momento, em comparação as outras de juros menor , pois ela tem o potencial de estrago muito superior.





#5 Aproveite o seu caminho.



É muito bom poder apreciar uma mudança positiva. Mesmo que você esteja em uma situação difícil, enrolado em um profundo déficit, tente aproveitar o caminho percorrido. Não deixe para desfrutar apenas quando chegar ao destino final, que é a dívida zerada.
O que eu quero dizer com isso é que faz muito bem conseguir enxergar a evolução do processo. As coisas novas surgindo e até mesmo as dificuldades. Cada etapa é um aprendizado novo e cada vitória merece ser celebrada.

A disciplina nas anotações. A primeira negociação. A primeira dívida paga! Não é incrível? Um passo de cada vez, mas cada passo pode e deve ser apreciado, pois isso irá trazer muita força e mais vontade de continuar seguindo, mesmo que o destino ainda esteja difícil de enxergar.





CONCLUSÃO


Como eu havia dito lá em cima, não há nenhuma fórmula mágica e nem atalhos. O que foi passado aqui, se feito com seriedade, tem valor real. Não existe nada de complexo neste pequeno guia, porém são necessários um pouco de disciplina e paciência.

Espero que você tenha gostado deste primeiro texto e que ele possa ter te ajudado nessa difícil jornada. O próximo nós vamos falar sobre como manter as contas equilibradas. Tenho certeza que vai ser muito interessante!  Fique ligado no Espaço. Assine nossa lista VIP para receber todas as novidades por email.

2 comentários:

  1. Muito boa essa dica de anotar, porém realmente exige disciplina. Tenho experimentado ela há algum tempo, na opção de anotar diariamente, as vezes falho mas tento retomar no dia posterior. Gostei muito dessa opção de guardar as notinhas e anotar uma vez na semana, talvez funcione melhor comigo. Muito bom o texto, aguardo o próximo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana,
      Comigo funciona muito bem! Depois me conta como foi pra você.

      Ah, e o Capítulo 2 já saiu!
      Um abraço!

      Excluir