Ativos e Passivos: O Diferencial das Pessoas que Prosperam - O Espaço - Equilíbrio, empatia e prática Ativos e Passivos: O Diferencial das Pessoas que Prosperam

Ativos e Passivos: O Diferencial das Pessoas que Prosperam

2016/04/05 | 2 comentários | |



O que diferencia as pessoas ricas e prósperas dos cidadãos de classe média que vivem no aperto?

Se você acompanha a nossa série Vida Próspera, já sabe que não se trata do dinheiro que ganham ou do cargo que ocupam, mas sim de alguns hábitos positivos e saudáveis para as finanças.

Hoje venho lhe mostrar o que talvez seja o mais importante destes hábitos. Para isso, precisamos entender o que são Ativos e Passivos.

Para você que ainda não conhece a série, a recomendo nos seguintes links:

A Corridas dos Ratos, uma introdução.



Ativos e Passivos são duas famosas palavrinhas no mundo da contabilidade, porém a nossa abordagem será um pouco diferente da deste universo.

Quero lhe apresentar definições mais simples e fáceis de entender, te dando clareza para fazer melhores escolhas para a sua vida financeira.

Essas definições estão muito próximas das do investidor Robert Kiyosaki em seu best-seller Pai Rico, Pai Pobre.

Em seu livro, Kiyosaki diz que a regra básica para alguém que quer enriquecer é entender a diferença entre um Ativo e um Passivo, e procurar adquirir ativos sempre. Isso porquê:

Ativo: tudo aquilo que coloca dinheiro no meu bolso.
Passivo: tudo aquilo que tira dinheiro do meu bolso.

Essa é a definição mais simplificada possível. E muito poderosa. Entender precisamente do que se trata fará toda a diferença.

Para se ter um patrimônio crescente, é necessário comprar Ativos. Parece um pouco óbvio. O problema é que muitas vezes não conseguimos distinguir corretamente um ativo de um passivo.

Muitas vezes nós adquirimos obrigações pensando que são ativos, perdemos dinheiro e nos complicamos. Este é o grande problema de um cidadão comum de classe média.

Este é o fluxo de dinheiro de um Ativo e de um Passivo:

        
Ativos e Passivos. Fluxo de caixa.


Toda vez que eu contraio uma dívida adquirindo um produto caro, aquilo se torna uma obrigação, um passivo. Os juros daquela dívida tiram dinheiro do meu bolso.

Então eu sou uma pessoa um pouco mais pobre. Simples assim. Mesmo que aquele produto simbolize status ou riqueza.

Toda vez que deixamos estourar o limite do cartão de crédito ou que utilizamos o cheque especial, estamos adquirindo fortes passivos. Obrigações que fazem perder dinheiro.

Quando você divide o novo Iphone em 12x e paga quase outro aparelho em juros, você está perdendo muito dinheiro. E quando, por alguma eventualidade, você não consegue quitar as parcelas em dia, aquilo se torna uma obrigação maior e o buraco vai ficando mais e mais fundo.

Passivo do passivo do passivo...

Por mais que aquele Smartphone seja excelente, um sinal de ostentação, uma boa comodidade e boas funções. Uma ótima câmera que vai impressionar os amigos. No fim, você estará se complicando e ficando mais pobre.

Este é o fluxo de dinheiro de um cidadão de classe média que não consegue prosperar:


Fluxo de caixa da Classe Média



Agora vamos imaginar a seguinte situação:

Você conseguiu juntar uma quantia razoável de dinheiro no seu trabalho e então resolveu reformar uma pequena garagem que estava abandonada em sua casa.

Após estar tudo reformado, você a aluga para alguém que quer transformá-la em uma sorveteria.

Assim, o dinheiro investido na garagem vai render aluguéis que vão colocar grana no seus bolso todos os meses. Isto é um Ativo.

Percebe o que acontece?

Quando eu compro um Ativo, eu estou colocando o meu dinheiro para trabalhar para mim mesmo. E quanto mais eu fizer isso, mais dinheiro eu vou ter pra continuar a fazê-lo.

Propriedades, fundos, títulos, enfim.. Tudo que coloca dinheiro no meu bolso, eu posso considerar como um Ativo e que me aproxima da independência financeira.

Este é o fluxo de dinheiro de uma pessoa próspera:


Fluxo de caixa dos ricos.


Acompanhe comigo esta história:

Quando Dona Martha se aposentou, ela decidiu que queria viajar e conhecer o mundo.

Ela é daquele tipo de brasileira forte, que trabalhou muito a vida toda, criou os filhos muito e merece ter um excelente descanso, curtindo muito a sua maturidade.

Então ela meio que sem querer, acabou executando o seguinte plano:

Todo mês de Janeiro, ela faria uma viagem de 30 a 45 dias. Uma viagem que dava tempo de conhecer alguns países com tranquilidade e entender um pouquinho mais a fundo as diferentes culturas.

Sem ter poupado nada, dona Martha fez a sua primeira viagem parcelando tudo que podia: hotéis, vistos, passagens, etc.. Quando ela terminava de pagar tudo.. já era Janeiro! Hora da próxima viagem.

E assim ela fez por vários anos. O que dona Martha não percebeu é que parcelando tudo, o valor das viagens ficava 50% mais caro. Ou seja, a cada duas viagens, ela perdia uma.

E se, no primeiro ano, dona Martha desistisse de financiar sua viagem e poupasse o exato valor de todas as parcelas? 

No segundo ano ela poderia viajar pagando à vista pagando um valor consideravelmente mais baixo e com a possibilidade de conseguir descontos e promoções.

Dessa forma ela viajaria todos os anos seguintes, sempre sobrando um pouco mais de dinheiro. No terceiro ano, ela poderia viajar com o dinheiro que juntou ainda no segundo!

Veja só como uma pequena mudança de hábito pode fazer grandes diferenças. E se dona Martha tivesse esse costume durante toda a sua vida profissinal? Como será que ela se aposentaria?

Mas este não é o estilo de dona Martha. Nem o nosso. Por isso é importante que aos poucos a gente tente se educar melhor, diminuir a compra de Passivos e ter uma carteira de Ativos.




Seria o carro ativo ou passivo?




O automóvel é, de longe, o caso mais emblemático de todos nessa questão. Por isso vamos destrinchá-lo.
 
Normalmente, é o primeiro bem adquirido daquela pessoa que começa a alavancar a carreira profissional. E é um dos principais responsáveis de fazer com que essa mesma pessoa fique presa a essa carreira, sem opções, sem crescimento e sem saída.

Muitas vezes, as pessoas consideram carro como um ativo. É um patrimônio de valor que você possui em seu nome, certo? Mas de que forma este patrimônio coloca dinheiro no seu bolso? De que forma este patrimônio te deixa mais rico e mais próspero?

O que observamos é que acontece o contrário:


Seria o Carro Ativo ou Passivo?


O automóvel é um patrimônio de valor que você possui em seu nome. Mas é um patrimônio que vai perdendo o valor com o passar do tempo. Na verdade, no momento em que a compra é realizada, parte do seu valor já é diminuído.

Dizem que ter um veículo é como ter um filho, financeiramente falando. Porque junto com o carro também vêm várias obrigações.

Seguros, impostos e manutenção abocanham uma fatia considerável do orçamento que poderia estar sendo investida para lhe trazer mais tranquilidade no futuro.
Dessa forma, já temos uma resposta. Um automóvel retira dinheiro do meu bolso, portanto se trata de um passivo.

E quando eu financio o meu carro? Ai eu estou adquirindo um passivo para comprar um passivo.

É comum ver pessoas financiando veículos em 72 vezes, sem nenhuma entrada. Pagando praticamente outro veículo em juros. Comprometendo grande parte dos seus rendimentos por 6 longos anos. E ainda tendo outra parte comprometida com as obrigações do veículo já mencionadas.

Você consegue mensurar quanto dinheiro se perde no processo?

Desde o nosso primeiro texto, eu estou enjoado de bater na tecla de que a prosperidade não tem a ver com o tamanho do salário, mas sim com atitudes saudáveis que encaminham pra uma independência financeira.

E isso se faz muito claro agora. As pessoas não conseguem sair do lugar porque têm o hábito de comprar passivos. Trabalham muito para ganhar mais e assim comprarem mais passivos. Aumentando, cada vez mais, as obrigações.

Frequentemente, elas trocam o seu veículo por um mais novo, sem ao menos terminar os pagamentos do antigo.

6 em cada 10 famílias brasileiras estão endividadas. E a dívida nos tornas mais pobres todos os dias. São passivos. Os juros tiram dinheiro do nosso bolso a todo momento.

“Mas cara, o transporte público é péssimo. O carro me dá liberdade, independência, segurança e comodidade”.

“O carro é uma necessidade”.

“Preciso do carro para trabalhar”.

“Com o carro, posso dar um conforto maior para os meus pais e minha família”.

“Eu ganho tempo e meu dia rende mais”.

Essas são algumas das coisas que costumo receber ao levantar esta questão. E, pessoalmente falando, são todas legítimas e verdadeiras. Concordo sinceramente com todas elas.

Veja bem, cada um tem sua história e trajetória, seus sonhos e planos. Não tenho, de forma alguma, a intenção de criticar ou definir as suas escolhas.

Quero apenas te dar um maior entendimento sobre elas. Uma visão mais clara e mais ampla. No final, é você quem as faz e sei que não é fácil fazê-las. Eu o respeito sejam elas quais forem.

Escrevo estes textos, porque acredito profundamente que uma consciência maior nos colocaria em uma posição melhor e mais confortável. Sentiríamos menos o peso da crise. Acredito que estaríamos avançando mais enquanto indivíduos, enquanto família, enquanto comunidade e enquanto país.


Gostou? Assine a nossa lista VIP, fique por dentro da série Vida Próspera e de todas as novidades do Espaço.

Deixe o seu comentário e acrescente ao debate!

Grande abraço!

2 comentários:

  1. Parabéns Bruno Kataoka pelo Blog e dicas.

    Excelente post, ainda mais quando trata-se de um assunto que por incrível que pareça existem poucas pessoas que sabem desse diferencial a nível de Internet. Realmente o leque de diversificação para montar um negócio online e colocar no piloto automático, é bem amplo.

    Eu por exemplo resolvi sair da zona de conforto( funcionário público) e buscar conhecimento no EMPREENDEDORISMO DIGITAL , pois acredito que há possibilidade de ter uma RENDA PASSIVA ONLINE.

    Tenho projetos embrionários como o rendapassivananet.co.nf e outros que estou criando, mais a idéia é ter uma RENDA PASSIVA vitalícia.

    Novamente parabéns pelo conteúdo.

    Att, Djalma Leite.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Lucas Alves pelo Blog e dicas.

    Excelente post, ainda mais quando trata-se de um assunto que por incrível que pareça existem poucas pessoas que sabem desse diferencial a nível de Internet. Realmente o leque de diversificação para montar um negócio online e colocar no piloto automático, é bem amplo.

    Eu por exemplo resolvi sair da zona de conforto( funcionário público) e buscar conhecimento no EMPREENDEDORISMO DIGITAL , pois acredito que há possibilidade de ter uma RENDA PASSIVA ONLINE.

    Tenho projetos embrionários como o rendapassivananet.co.nf e outros que estou criando, mais a idéia é ter uma RENDA PASSIVA vitalícia.

    Novamente parabéns pelo conteúdo.

    Att, Djalma Leite.

    ResponderExcluir