Comunicação não-violenta, Capítulo 4: identificando e expressando sentimentos - O Espaço - Equilíbrio, empatia e prática Comunicação não-violenta, Capítulo 4: identificando e expressando sentimentos

Comunicação não-violenta, Capítulo 4: identificando e expressando sentimentos

2017/11/21 | Nenhum comentário | |


  

“Nosso repertório de palavras para rotular os outros costuma ser maior do que o vocabulário para descrever claramente nossos estados emocionais”.

comunicação não-violenta: identificando e expressando os sentimentos


Aos poucos vamos construindo e aprofundando o conceito de Comunicação não-violenta apresentado por Marshall, seus princípios, suas peças, propostas e objetivos.

O primeiro componente da CNV é observar sem avaliar; no capítulo 4, investigamos o segundo: expressar como nos sentimos.

“O psicanalista Rollo May afirma que a pessoa madura se torna capaz de diferenciar sentimentos em muitas nuanças: algumas experiências são fortes e apaixonadas, ao passo que outras são delicadas e sensíveis, tal qual os diferentes trechos de uma sinfonia. Entretanto, para muitos de nós, os sentimentos são, nas palavras de May, ‘limitados como as notas de um toque de clarim’”.

O alto custo dos sentimentos não expressos


Aqui no Brasil, tem-se uma longa trajetória na educação que vai da infância até, pelo menos, o fim da adolescência. Dentro dessa trajetória, você se lembra da última vez em que foi perguntaram como estava se sentindo? Em relação ao processo, suas vivências e tudo o que o cerca?

É provável que isso nunca tenha acontecido. Ao contrário, o estímulo costuma vir no sentido contrário.

Nossa cultura, assim como a americana de Marshall, valoriza uma “maneira certa de pensar” que nos leva a estar sempre “direcionados aos outros” em vez de em contato com nós mesmos. Aprendemos a focar sempre no que é externo:

"O que será que os outros acham que é certo eu dizer e fazer?"

O habitual é termos nossos sentimentos alienados:

·         “Menino grande não chora”.
·         “Você já é mocinha tem que se comportar”.

Marshall identifica um problema recorrente em casamentos: mulheres que nunca sabem o que os maridos estão sentindo. Casamentos onde não existem diálogo e a menor conexão.

“É como se estivesse vivendo com uma parede”.

O tema também é abordado de forma mais profunda no livro Inteligência Emocional, no capítulo Inimigos Íntimos, Daniel Goleman traz o contexto com mais detalhes:

Na infância, o homem tem a parte emocional completamente suprimida. É negado o acesso aos próprios sentimentos. Como se manter uma postura robótica fosse sinal de estabilidade, o que na verdade é só causa de muito sofrimento.

Isso acaba sendo motivo de dissonância em inúmeras relações matrimoniais. A mulher, que normalmente tem o aprendizado emocional um pouco mais refinado, espera, sem sucesso, uma presença mais sensível do seu par. Uma desconexão que vai, aos poucos, corroendo aquela união de dentro pra fora.

Goleman também mostra que o desconhecimento das próprias emoções pode ser até uma questão patológica. Alexitimia é um termo que diz respeito à marcante dificuldade em descrever emoções, sentimentos e sensações corporais.

Um dos principais sintomas é a confusão entre sensações e sentimentos. Outro principal sintoma reside na grande dificuldade em expressar os sentimentos através de palavras. O alexitímico costuma relacionar suas sensações físicas aos seus sentimentos. Por exemplo, após sofrer um duro golpe emocional, o alexitímico irá reclamar de dor de cabeça ou fadiga, mas não saberá relatar de forma clara o que realmente sentiu.

Remover

comunicação não violenta: alexitimia


É interessante quando a gente percebe que a não clareza dos sentimentos chega a ser uma patologia, mas antes disso, é uma deficiência que causa muito sofrimento à nós mesmos e à todas as pessoas que nos cercam. Nesse contexto, a ausência de um vocabulário adequado carrega um importante papel.

Sentimentos versus não-sentimentos


Abaixo, três vezes em que tentamos expressar sentimentos, mas estamos expressando outras coisas:

1 – Pensamentos e opiniões. 
“Sinto que não consegui um acordo justo”.

Uma das grandes confusões da nossa linguagem é o uso do verbo sentir sem expressar sentimento nenhum. A frase acima, por exemplo, poderia ter o “sinto” substituído por acho, penso, creio...

Via de regra, os sentimentos não estão sendo claramente expressos quando a palavra sentir vem seguida de:

A. Termos como que, como, como se:
·         "Sinto que você deveria saber isso melhor do que ninguém".
·         "Sinto-me como um fracassado".
·         "Sinto como se estivesse vivendo com uma parede".

B. Vocábulo que seguido de pronomes como eu, ele, ela, eles, isso, etc.:
·         "Sinto que eu tenho de estar constantemente disponível".
·         "Sinto que isso é inútil".

C. Vocábulo que seguido de nomes ou palavras que se referem a pessoas:
·         "Sinto que Lúcia tem sido bastante responsável".
·         "Sinto que meu chefe está me manipulando".

 


2 – Descrições a respeito de nós mesmos.


Também é importante diferenciar sentimentos genuínos de descrições e opiniões a respeito de nós mesmos.

A. Uma descrição do que pensamos que somos:
·         "Sinto que sou mau violonista".

Nessa afirmação, estou avaliando minha habilidade como violonista, em vez de expressar claramente meus sentimentos.

B. Expressões de sentimentos verdadeiros:
·         "Estou me sentindo desapontado comigo mesmo como violonista".
·         "Sinto impaciência comigo mesmo como violonista".
·         "Sinto-me frustrado comigo mesmo como violonista".


3 – Como eu acho que o outro se comporta.


Essa é bastante comum e bastante difícil de diferenciar. Confundimos facilmente o que sentimos com a nossa opinião a respeito do comportamento do outro:

A. "Sinto-me insignificante para as pessoas com quem trabalho".
A palavra insignificante descreve como acho que os outros estão me avaliando, e não um sentimento real, que, nessa situação, poderia ser "sinto-me triste” ou “sinto-me desestimulado."

B. "Sinto-me incompreendido."
Aqui, a palavra “incompreendido” indica minha avaliação do nível de compreensão de outra pessoa, em vez de um sentimento real. Nessa situação, posso estar me sentindo ansioso, ou aborrecido, ou estar sentindo alguma outra emoção.

C. "Sinto-me ignorado".
Mais uma vez, isso é mais uma interpretação das ações dos outros do que uma descrição clara de como estou me sentindo. Sem dúvida, terá havido momentos em que pensamos estar sendo ignorados e nosso sentimento terá sido de alívio, porque queríamos ser deixados sozinhos. Da mesma forma, terá havido outros momentos em que nos sentimos magoados por estar sendo ignorados, porque queríamos participar.

Outras palavras que expressam uma opinião à cerca do comportamento do outro:

palavras que não são sentimentos 


Construindo um vocabulário para os sentimentos.


É essencial que construamos um vocabulário rico capaz de representar emoções específicas no lugar de palavras genéricas e vagas, como por exemplo: “sinto-me bem com essa notícia”.

A palavra bem pode significar aliviado, alegre, empolgado...

Utilizar de termos vagos como bem ou mal pode bloquear a conexão, já que o interlocutor não se encontra de fato com o que estamos sentindo.

Para ajuda nessa construção, Marshall oferece uma gama de palavras que descrevem claramente uma ampla faixa de estados emocionais.

Quando nossas necessidades estão atendidas: 

quando nossa necessidade é atendida

Quando nossas necessidades não estão sendo atendidas:

quando a necessidade não é atendida


·    Exercício:

Para testar nosso alinhamento à cerca da verbalização dos sentimentos, o livro nos oferece 10 afirmações. Marque (guarde) aquelas que estão sendo expressadas verbalmente.

  1. Acho que você não me ama.
  2. Estou triste porque você está partindo.
  3. Fico com medo quando você diz isso.
  4. Quando você não me cumprimenta, sinto-me negligenciado.
  5. Estou feliz que você possa vir.
  6. Você é nojento.
  7. Sinto vontade de bater em você.
  8. Sinto-me mal interpretado.
  9. Sinto-me bem a respeito do que você fez por mim.
  10. Não tenho nenhum valor.

.


 -------------------- Respostas:


1. Se você circulou esse número, discordamos. Não considero que "Você não me ama" seja um sentimento. Para mim, a frase expressa o que a pessoa acha que a outra está sentindo, e não o que ela mesma está sentindo. Quando a palavra sinto é seguida de pronomes como eu, você, ele, ela, eles, isso, que, como ou como se, o que se segue geralmente não é o que eu consideraria um sentimento.
Exemplos de expressões de sentimentos poderiam ser "estou triste" ou "estou me sentindo angustiado”':

2. Se você circulou esse número, estamos de acordo em que um sentimento foi expresso verbalmente.

3. Se você circulou esse número, estamos de acordo em que um sentimento foi expresso verbalmente.

4. Se você circulou esse número, discordamos. Não considero que negligenciado seja um sentimento. Para mim, essa palavra expressa o que a pessoa pensa que outra está fazendo a ela. Uma expressão de sentimento poderia ser "Quando você não me cumprimenta à porta, sinto-me solitário".

5. Se você circulou esse número, estamos de acordo em que um sentimento foi expresso verbalmente.

6. Se você circulou esse número, discordamos. Não considero que nojento seja um sentimento. Para mim, essa palavra expressa o que uma pessoa pensa da outra, e não como ela se sente. Uma expressão de sentimento poderia ser "Sinto-me enojado”.

7. Se você circulou esse número, discordamos. Não considero que ter vontade de bater em alguém seja um sentimento. Para mim, isso expressa o que uma pessoa se imagina fazendo, e não como ela está se sentindo. Uma expressão de sentimento poderia ser "Estou furioso com você”.

8. Se você circulou esse número, discordamos. Não considero que mal interpretado seja um sentimento. Para mim, essa expressão diz o que uma pessoa acha que a outra está fazendo. Nesse caso, uma expressão de sentimento poderia ser "Sinto-me frustrado", ou "Sinto-me desestimulado”.
9. Se você circulou esse número, estamos de acordo em que um sentimento foi expresso verbalmente. No entanto, a palavra bem é vaga quando utilizada para expressar um sentimento. Geralmente podemos expressar nossos sentimentos mais claramente usando outras palavras - por exemplo, nesse caso, aliviado, gratificado ou estimulado.

10. Se você circulou esse número, discordamos. Não considero que "Não tenho nenhum valor" seja um sentimento. Para mim, a frase expressa o que uma pessoa pensa de si mesma, e não o que ela está sentindo. Exemplos de uma expressão de sentimentos poderiam ser "Sou cético quanto aos meus próprios talentos" ou "Sinto-me digno de pena".

Até o próximo capítulo!




Nenhum comentário:

Postar um comentário