Comunicação não-violenta, capítulo 11: usando a força para proteger - O Espaço - Comunicação Não-violenta Comunicação não-violenta, capítulo 11: usando a força para proteger

Comunicação não-violenta, capítulo 11: usando a força para proteger

2019/02/12 | Nenhum comentário | |



o uso da força protetora - comunicação não-violenta


<<Capítulo Anterior | Índce Resenha CNV | Próximo Capítulo>>



Quando o uso da força é inevitável

Quando duas partes em conflito tiverem a oportunidade de expressar plenamente o que estão observando, sentindo, precisando e pedindo, é provável que se chegue em uma solução que atenda ambas.

No entanto, existem situações em que um diálogo desses não é possível, o uso da força pode ser necessário para proteger a vida ou os direitos individuais.

A outra parte pode não estar disposta a dialogar ou pode não haver tempo hábil para tal.

Nesses momentos, a CNV pede que diferenciemos o uso protetor e o uso punitivo da força.

O pensamento por trás do uso da força


quando o uso da força é inevitável para proteger a vida. comunicação nao violenta

A intenção por trás dos nossos atos é uma ideia presente ao longo de toda a teoria da CNV e aqui ele se faz ainda mais importante.

É preciso que tenhamos, ao aplicar o uso da força, a clara intenção de evitar danos ou injustiças. Quando se usa força punitiva, a intenção é fazer que as pessoas sofram por seus atos então percebido como inadequados.

“Quando agarramos uma criança que está correndo na rua para impedir que ela se machuque, estamos aplicando a força protetora. O uso da força punitiva, por outro lado, poderia envolver um ataque físico ou psicológico, como espancar a criança ou dar-lhe uma reprimenda como: ‘Como você pôde ser tão estúpida? Você deveria ter vergonha de si mesma’!”

A força protetiva se concentra na vida ou nos direitos que se deseja proteger, sem julgar a pessoa ou o seu comportamento. Não se condena a criança que correu na rua, nosso pensamento deve ser dirigido a protegê-la.

A premissa do uso protetor da força é que algumas pessoas se comportam de maneira prejudicial ao ambiente, devido a algum tipo de ignorância, que inclui:

  1. falta de consciência das consequências de nossas ações;
  2. incapacidade de perceber como nossas necessidades podem ser atendidas sem prejudicar os outros;
  3. crença de que temos o "direito" de punir ou ferir os outros porque eles "merecem"; e
  4. pensamentos delirantes que envolvem, por exemplo, ouvir uma "voz" que nos instrui a matar alguém.

---

Já as ações punitivas, baseiam-se na premissa que as pessoas fazem coisas ruins porque são más, e de que para corrigir a situação, é preciso fazer que elas se arrependem.

A correção é idealizada através da ação punitiva para que elas:

  1. sofram o bastante a ponto de perceberem que suas ações são inadequadas;
  2. arrependam-se; e
  3. mudem.

Tipos de força punitiva


O castigo físico como bater em pessoas é um exemplo de força punitiva. Esse é um assunto delicado, que desperta fortes sentimentos entre pensamentos opostos.

Punitivismo e comunicação não-violenta

Para alguns pais, bater em algumas crianças demonstra que amamos porque estabelece limites claros. É comum dizerem que “têm de” usar a força punitiva, porque não enxergam outra maneira de mostrar aos filhos o que é bom pra eles.

Educar um filho é um desafio. Mantê-lo em segurança ao mesmo tempo que desenvolver sua autonomia é uma dualidade controversa e um equilíbrio impecável. É interessante procurarmos enxergar todas as tentativas de educação e suas dificuldades com empatia.

Contudo, pais que defendem o sucesso da criação de seus filhos através da punição talvez não tenham consciência de:

  • inúmeros casos de crianças que se voltam contra o que poderia ser bom pra elas, simplesmente por escolherem lutar contra a coerção. Uma vez que, a coerção invade a necessidade humana universal de ter escolhas;
  • que outros métodos também poderiam funcionar igualmente bem; e
  • as consequências sociais de se empregar o castigo físico.

“Quando os pais escolhem usar a força, podem ganhar a batalha de obrigar as crianças a fazer o que eles querem, mas, nesse processo, não estarão perpetuando uma norma social que justifica a violência como meio de resolver diferenças”?

Uma norma social alienante e superficial.

--

Outra forma de força punitiva é a retirada de alguns meios de gratificação, como cortar mesada, proibir o videogame ou retirar a permissão para sair.

É uma punição que deixa clara como ameaça a retirada da afeição ou do respeito por parte dos pais.

Os custos da punição


O capítulo 9 nos lembra muito bem e aqui Marshall reforça mais uma vez:

“Quando nos submetemos a fazer alguma coisa apenas com o propósito de evitar uma punição, nossa atenção é desviada do valor da própria ação. Em vez disso, estamos nos concentrando nas consequências que podem acontecer se deixarmos de agir daquela maneira”.

Se você trabalha pelo medo da punição ou qualquer outro motivo que não seja o valor de seu trabalho, é provável que seu desempenho diminuíra, levando também a sua autoestima.

“Se as crianças escovam os dentes porque sentem vergonha e medo do ridículo, sua saúde bucal pode melhorar, mas seu respeito por si mesmas ganhará cáries”.

Quanto mais formos vistos como agentes da punição, mais difícil será para os outros responderem compassivamente a nossas necessidades.

----

Temos aqui uma ilustração perfeita do quão grande é alienação perpetuada pela punição como método corretivo:

“Eu estava visitando um amigo, diretor de escola, em seu escritório, quando ele percebeu pela janela um menino grande batendo em outro menor. ‘Com licença’, ele disse, saltou e correu para o pátio. Agarrando o aluno maior, ele lhe deu um tapa e o repreendeu: ‘Isso lhe ensinará a não bater em pessoas menores!" Quando o diretor voltou para dentro, observei: ‘Não acho que você tenha ensinado àquela criança o que você pensou que estava ensinando. Suspeito que, em vez disso, o que você lhe ensinou foi a não bater em pessoas menores do que ele quando alguém maior - como o diretor - pode estar olhando!

Se você fez alguma coisa, parece-me que foi reforçar a noção de que a maneira de obter o que você quer de alguém é batendo nessa pessoa’”.





Duas perguntas que revelam as limitações da punição


Duas perguntas nos ajudam a enxerga por que é improvável que obtenhamos o que queremos se usarmos a punição para mudar o comportamento das pessoas.

1) O que eu quero que essa pessoa faça que seja diferente do que ela está fazendo agora?

Essa pergunta é até mais comum. Com ela a punição pode parecer eficaz, porque a ameaça ou a força punitiva podem ser muito bem influenciadores do comportamento.

2) Quais quero que sejam as razões dessa pessoa para fazer o que estou pedindo?

Raramente paramos pra pensar nessa pergunta. Quando a consideramos, percebemos então que a punição e a recompensa interferem e afastam as pessoas a fazerem as coisas pelos motivos que gostaríamos realmente.
É decisivo termos consciência da importância das razões das pessoas para se comportarem como pedimos.

“A CNV estimula um nível de desenvolvimento ético baseado na autonomia e na interdependência, pelo qual reconhecemos a responsabilidade por nossas próprias ações e temos consciência de que nosso próprio bem-estar e o dos outros são uma coisa só”.

Até o próximo capítulo!



<<Capítulo Anterior | Índce Resenha CNV | Próximo Capítulo>>

Nenhum comentário:

Postar um comentário